Busca Final em pré-venda! RPG independente lá das “bandas” das Minas Gerais

A expectativa pelo lançamento do Busca Final, o novo jogo da Secular Games, já é antiga (ao menos para a escala temporal desse mundo online, onde a notícia da manhã já é old à tarde… rs)

Para nós, começou na RPG Con de 2010, com a publicação de um artigo do Giltônio Santos sobre o jogo na Mamute.

Mamute? É, este é o nome da fanzine lançada por essa turma mineira muito doidimais da Secular lá na Feira de RPGs Independentes da RPG Con.

No artigo (também disponível lá na Secular), o jogo era apresentado assim:

“É um mundo mágico, mas a magia está morta”

Trata-se de um jogo de narrativa épica, em que narrador e jogadores buscam, juntos, descobrir o que aconteceu com a magia do mundo. Os habitantes do continente fictício de Othora já viveram como aventureiros e sobreviventes de qualquer mundo de fantasia clássica. Isso antes da Grande Perda, quando tudo o que havia de místico e mágico desapareceu. É um mundo como o nosso. A diferença é que os habitantes ainda se lembram de como era viver em um mundo de magia. E eles vão tentar descobrir – o que for, como for, mesmo sem saber por onde começar. Assim, formam companhias de guerreiros errantes, em busca de uma resposta.

No artigo, Giltônio conta que seu objetivo era criar um jogo de busca, pelo que quer que fosse. Assim, mais do que de fato descobrir o que aconteceu, o que importa é a jornada e o seu difícil equilíbrio entre a convicção, a confiança para seguir buscando e a desesperança, a desconfiança.

Esses fatores não são importantes só para a narrativa, o que já seria bem interessante. Giltônio e Garrell criaram um sistema especialmente para o Busca Final – e que não pretende servir para qualquer outro jogo.

O Sistema

Depois de alguns meses de espera, detalhes mais específicos dos sistema começaram a ser revelados em previews, a partir de 10 de janeiro.

O jogo traz uma série de inovações. Para começar, nós jogadores de D&D já estranhamos os tipos de atributos. Em vez de coisas mais “palpáveis” como Força, Destreza, Constituição, estão lá elementos abstratos como Convicção, Experiência, Valentia e Presença.

Em vez de dados para rolar, cartas de um baralho (o Baralho do Destino) definem diversos fatores aleatórios durante o jogo – e tanto os números quanto os naipes importam.

E, por fim, a narrativa compartilhada – a contribuição mais bacana que os jogos independentes trouxeram para o RPG, porque quebram um monte de tabus na dinâmica de um jogo.

No Busca Final, a história que o grupo vai contar é mais importante que o personagem que cada jogador vai interpretar. Inclusive, ao longo de um jogo, um jogador pode interpretar mais de um guerreiro errante. Alguns deles são criados em conjunto até.

Entre muitos outros detalhes. Quando a gente jogar, voltamos aqui para contar melhor como tudo funciona.

O livro

A intenção é que qualquer um possa jogar Busca Final a partir da leitura apenas do livro em questão. Não será necessário adquirir suplementos, por exemplo. O livro apresenta primeiro os personagens e funções dos jogadores. Depois, uma descrição do cenário. Em seguida, o capítulo mais importante para as regras para os confrontos e avanço da história. E, por fim, o final do jogo.

O livro todo traz uma série de trechos narrativos, que contextualizam a busca e exemplificam as regras com situações próximas às de um jogo real. Assim, fica cada vez mais clara a ligação entre cenário e sistema. E a leitura, mais prazerosa – inclusive, confesso que dei uma lida apenas por cima no PDF cedido com antecipação pela Secular para nossa equipe ler e ajudar na divulgação da pré-venda. Reservei o gostinho da leitura dedicada para o livro físico. 🙂

O livro traz ainda diversas ótimas indicações de outros livros, filmes, músicas e jogos para inspiração para o seu jogo. Vale fuçar.

Formato e créditos:

O jogo será lançado fisicamente em formato 15.24 cm x 22.86 cm, com capa colorida e miolo com 108 páginas em P&B, em papel creme.

A capa tem a arte foda do Dan Ramos, que também assina o design interno.

Conceito e Design de Regras: Giltônio Santos & Richard Garrell
Escrita: Giltônio Santos
Design Interno e Capa: Daniel Ramos
Imagens Internas: Germana Viana
Diagramação: Rafael Rocha
Bônus!
No livro físico, haverá ainda páginas exclusivas do preview do Tribo de Meru, jogo de fantasia futurista atualmente em desenvolvimento pela equipe da Secular Games.

Compre o seu!!

A pré-venda se inicia nesta segunda-feira, 7 de fevereiro! Diz a lenda que haverá alguns brindes surpresa para quem comprar na pré-venda… Não vai perder, né?

As vendas serão mantidas até a data da entrega do livro aos compradores, que se tudo correr bem deve acontecer até o dia 20 de março.

preço do livro na pré-venda será R$29,90, com frete grátis para qualquer cidade do Brasil, e o comprador terá acesso em algumas horas ao PDF completo. Vale lembrar que o PDF será disponibilizado no site da Secular gratuitamente apenas após o lançamento do livro em março. Após esta data a pré-venda se encerra, e o livro será vendido a R$29,90 e o frete cobrado normalmente.

Livre! Yarr!

No post em que a equipe da Secular apresenta as informações de pré-venda, é possível conferir outra característica inovadora e doidimais do Busca Final: é um jogo que nasce pirata. rs

A editora abandona a velha e antiquada postura, comum no mercado, de esconder informações e de brigar pateticamente contra a pirataria.

No post, apresentam, com toda transparência, todas os fatores envolvidos na decisão pelo preço do produto. E, por fim, divulgam que o produto será lançado por uma licença Creative Commons. E mais. Eles mesmos vão colocar o pdf do Busca Final nas redes de torrent. E mais. 25% de todo o dinheiro arrecadado através das vendas do PDF do Busca Final serão doadas para a manutenção do projeto Creative Commons. (O PDF estará disponível gratuitamente, mas será possível comprá-lo por um site parceiro – para aqueles que só usam esse formato, mas querem contribuir com o projeto.)

Por aqui, estamos torcendo para que essa postura dê certo e incentive a mudança – que já tarda – no mercado do RPG nacional e, por que não, no mercado cultural como um todo.

Sobre a Secular Games

(descrição lá do “Quem somos”, do site oficial)

Criada em 2005 por três escritores, um designer e um ilustrador, todos já envolvidos com a produção de RPG no Brasil, a Secular Games veio com uma proposta de fazer livros em formato PDF, escritos em inglês, para venda nos vários sites de livros eletrônicos que começavam a fazer sucesso naquela época, catapultados pela facilidade do acesso e pela consolidação do sistema d20 entre as dezenas de produtores independentes.

Nessa primeira etapa, foram produzidos os livros Advanced Character Guide: Arcane ArcherShadows of ShinobiLines of Legend: Winter Elves, além da posterior tradução para o inglês e lançamento em formato eletrônico do livro nacional Vikings: Guerreiros do Norte, da parceira Editora Conclave. Já tendo inclusive conquistado algum público para o seu material, no entanto, a Secular Games entrou em um longo hiato, que chegaria ao fim com uma nova etapa.

Finalmente debutando no mercado brasileiro, a Secular Games encontra espaço para uma revigorante mudança de foco: do sistema d20 para propostas mais autorais e alternativas; do Inglês para nossa língua natal; da centralização no mercado de livros eletrônicos para novos investimentos em material impresso, começando com o fanzine Mamute – sucesso de crítica e vendas na II RPGCon – e continuando com Busca Final, primeiro entre vários jogos independentes e autorais sendo fermentados em nosso laboratório.

P.S.: O post vai sem imagens, por enquanto, porque o blog está em reformas 😉 Depois a gente complementa.

2 Comments

  1. Posted 7 de fevereiro de 2011 at 2:16 | Permalink

    Opa, ficamos muito felizes com o apoio do pessoal do Taulukko e de saber que existe toda essa expectativa com o Busca Final. Tomara que elas sejam alcançadas e vocês curtam o jogo!

    E em breve divulgaremos os números da pré-venda, quem sabe assim mais gente não empolga de lançar coisas independentes por aqui?

    Abraços e muito obrigado pela força!

  2. Posted 7 de fevereiro de 2011 at 16:58 | Permalink

    Opa, vamos comprar o nosso! PDF é bom pra jogar virtualmente mas pra jogar na mesa nada como o bom papel =)

Post a Comment

Your email is never shared. Required fields are marked *

*
*