Como foi o 1o RPGCON!

Como foi o 1o RPGCON!

Há 64 dias atrás foi anunciado, não de forma oficial, que o Encontro Internacional de RPG (EIRPG) promovido pela Devir havia sido cancelado. A comunidade de RPG se sentiu órfã, desolada. Para muitos, a tradição de ir para São Paulo e rever amigos que compartilham do mesmo passatempo havia sido quebrada. Então o D3 da D3System , que chegou a trabalhar na Devir,  se comprometeu, em uma lista sobre blogs de RPG, a realizar um segundo Encontro de Blogs de RPG (evento que ocorreu dentro do último EIRPG). Então a Janaína do grupo Céos propôs, junto com o D3, de fazer uma coisa maior, uma convenção de RPG. Wallace da Caravana Surreal RPG estava no mesmo caminho. Há 10 anos que ele trazia jogadores de RPG do Rio para São Paulo nos EIRPGs e desta vez ele pretendia, para não perder a tradição, reunir o pessoal carioca para um encontro estadual, quando ele soube dos esforços do D3 e da Janaína e somou esforços.

Um evento deste porte leva aproximadamente seis meses para ser montado e tem um altíssimo custo. Graças aos três, em pouco mais de dois meses eles fizeram acontecer. A opinião do Mr POP, Shingo e Ooze, do Paragons, é de que foi o melhor evento de RPG de todos os tempos. Esta também é a opinião da maior parte das pessoas que eu questionei sobre o assunto. Abaixo um resumo das qualidades e defeitos deste 1o RPGCON em comparação com os demais eventos de RPG dos anos anteriores.

Programação:

Talvez o que tornou o evento único foi que, pela primeira vez, um dia foi pouco para ver e fazer tudo que estava na programação. Muitos ficaram divididos entre uma coisa e outra tamanha era a variedade de atividades. Faltaram algumas empresas, mas numa conversa com o D3 foi explicado que raramente alguma instituição coloca na agenda um evento deste porte se não é avisado pelo menos com seis meses de antecedência, portanto totalmente desculpado.

Cosplay:

dsc07393Visto que muitos RPGistas gostam de se fantasiar e praticar cosplay durante o evento, o RPGCON deu especial atenção aos praticantes tendo até um concurso e desfile nos dois dias. O vencedor de domingo foi o Draco, que você confere ali embaixo no vídeo do grupo Morlock. No blog Aldetoron, dá para conferir um pouco sobre como essa atenção especial do RPG Con fez diferença para eles. De quebra, você descobre também o passo a passo de como foi feita a cabeça do Draconato. Vai lá. Mas volta, que tem mais.

Associações e Comunidades:

Diferente dos demais encontros, associações e comunidades não foram tratados como lojas. Desse modo acredito que tiveram um preço diferenciado e puderam ter um espaço mais vantajoso possibilitando a organização de workshops, palestras e outras coisas que permitiram uma gama maior ainda de atrações. Os boxes ficaram então destinados unicamente para as lojas.

Feira de Jogos Independentes

Não deu tempo de ver tudo, mas conseguimos bater um papinho com o Marcelo do TagmarII, que completa 5 anos e pode ser baixado gratuitamente na internet. Os autores se juntaram para tornar isso possível, bora prestigiar!

Encontro de Blogs:

iiebrpgPara quem tem blog o RPGCON disponibilizou uma sala com energia elétrica e wireless que permitia fazer a cobertura do evento, discutir melhorias nos blogs, se apresentarem e outras coisas. O local dos blogs era bem afastado, o que proporcionava silêncio para se concentrar nos artigos e twitters. Porém faltou organização dos próprios blogueiros, e não do evento, para decidir o que fazer em cada momento. Agora, se quiser forçar um pouco a barra, talvez a única coisa que poderia ser melhorada no próximo RPGCON seria marcar uma hora em cada dia para a reunião dos participantes (que de preferência não colidisse com nenhuma palestra) e um quadro e canetas pilots para escrever a programação de debates. Então ficam as críticas maiores para a comunidade blogueira que não organizou melhor a programação. Isso foi explicado principalmente pela qualidade do evento. Ninguém queria perder as outras atrações!

Ainda assim, lá pelo começo da tarde de sábado, deu para reunir uma turminha boa por lá. Nos apresentamos e conhecemos a turma do Tomo4e, .20, Ambrosia, Gilvan Gouvea e provavelmente mais gente de que estamos esquecendo os nomes. De quebra, conferimos em primeira mão a aventura “O Cálice de Avandra”, criada pela Iniciativa 4e Aprimorada. É a primeira aventura brasileira para quarta edição. Com uma diagramação caprichadíssima (a capa dá para ver aqui), com mapas do Ataualpa “Morallatos”, foi tudo produzido a toque de caixa por uma turminha dos blogs D3System, Tomo 4E, DadoMestre, Paragons, Rolando 20, Aldetoron, NitroDungeon e RedNinjaPress. D3 prometeu que o PDF vai estar lá no site deles.

Teve também a divulgação do novíssimo Imaginauta, que inaugura em novembro trazendo o Guia do Jogador para Dark Sun. O Capítulo 1 a gente recebeu lá no encontro! Em novembro saem também as cartas de Magic X-Men. Serão 450 cartas, 3 sets completos, com todos os personagens do universo X-Men. No site, eles vão divulgar projetos como esses, e tudo mais relacionado a RPG, Jogos de Tabuleiro, Livros-jogo e card games. Bah, que novembro ainda tá longe!

Local:

O evento ocorreu no Colégio Notre Dame que, diferente dos anos anteriores, não era plano e sim labiríntico, o que sinceramente achei bem interessante e divertido. O lugar em si era facilmente comparado com uma masmorra e eu até cheguei a brincar que era como “explorar uma masmorra”, com direito a encontros aleatórios pelos corredores e até um ou outro ataque de oportunidade. Num desses encontros, conhecemos o Valberto, figuraça do Lote do Betão, o casal RPG Online, o Tiago Moreira, da Área RPG, o Talude do RPG News, visualizamos o Tsu e provavelmente mais gente que não guardamos o nome. O endereço do colégio, Rua Alegrete, era próximo ao metrô Sumaré e de fácil localização – e mesmo assim a organização ainda fez uma fotos do caminho para os perdidos.

Informações aos visitantes:

Talvez o maior pecado do evento, e também facilmente explicado pela falta de tempo, foi a falta de informações para os visitantes. Faltou para quem entrava uma grade de horários com as programações tanto do RPGCon como das Associações. Também faltou um mapa para exploarar a masmorra (quadriculado? hexagonal?!), onde contivesse todos os locais, salas e boxes disponíveis. Para atrapalhar, no primeiro dia as placas eram raras e faziam muitos ficarem perdidos por até meia hora até achar o que queriam.

Luderia:

Colocar uma filial da Ludus foi um golpe de mestre dos organizadores. Funcionou muito bem e casou com o evento como uma luva, estão de parabéns pela idéia. A Ludos acabou também divulgando seu trabalho e em um dos dias até fomos à Matriz para conhecer e comer seus deliciosos lanches com a turma do Rolando 20, Paragons (com sra. Watanabe), Mamangava e o incrível casal Nitro e Érika.argila

Esculturas em argila:

Outra atração que descobri apenas no final do segundo dia foi a oficina Meliés com suas estátuas em argila. Pena que o nome e as placas não foram suficientes para esclarecer o que teria lá, senão teria ido antes e indicado para mais pessoas. As esculturas são detalhadíssimas. Em julho, vai ter animação deles lá no Anima Mundi.

Dança Thriller do Michael Jackson:

Antes mesmo da morte do cantor já estava na grade de programação, por culpa do Cobbi, um ensaio e execução da dança Thriller. Foi extremamente divertido encerrar o evento com o pessoal ensaiando e dançando este clássico dos anos 80. Confira:

Teatro do Caverna do Dragão:

Outra atração foi o teatro com uma peça que satirizava o desenho animado dos anos 80 Caverna do Dragão. A peça foi idealizada pela Cosplay4Fun e arrancou muitas risadas no público, que lotou o salão. Ponto alto: personagens atacando o Vingador com uma clássica bazuca à lá Changeman (ai, que velhos estamos. Power Rangers?).

Palestras:

Todas as palestras estavam muito boas. Talvez tenham realmente feito falta palestras não associadas diretamente ao RPG, como citou o Rinaldo na Mesa de Vidro. Palestras como autores de livros ou outras coisas que têm ligação com o RPG mas não de forma direta. Mas parece que elas aconteceram nas salas no alto da dungeon, a gente que não achou. De qualquer forma é nota 10 para a grade. Vimos um trechinho da Oficina de Monstros da 4E do Anand, do Rolando 20. Vimos a palestra com o CF, do Covil, e com o Rocha, do Área Cinza, sobre licensas das edições 3.X e 4.X do D&D, que estava excelente. Não pudemos participar de toda a Palestra com o trio Tormenta mas ela estava muito boa, e pude desta forma acompanhar um pouco o trabalho do trio de forma engraçada e divertida. Outra que infelizmente vi pouco mas gostei foi o Novo e Antigo Mundo das Trevas com Fabio Sonner e Vasco Sagramor. E a palestra das editoras, onde infelizmente peguei apenas o final com a Devir, em que pudemos ter uma referência do atual mercado de RPG no Brasil com seus preconceitos e falta de incentivo. Não pude ver todas as palestras de que gostaria, mas as que vi parte ou inteiras estavam realmente muito interessantes.

Grupo Morlock

Uma inesperada surpresa foi a apresetação do grupo Morlock, na íntegra abaixo:

Vikings:

Não sabíamos o nome do grupo, mas a Lau Muniz soprou no Twitter: “Hednir“. Bota no orkut ou no google. Fato que eles fizeram um verdadeiro espetáculo de demonstração. Alguns deles com seus quase dois metros de altura dariam medo em qualquer encontro aleatório. Aliás, deram. Quando topamos com eles na dungeon, ligamos nosso move silent e passamos desapercebidos. Ufa!

bejrpg_social

Bom é jogar RPG

feira3
A campanha BEJRPG marcou presença no evento com entrevistas ótimas que incluíam o divertido Saladino do trio Trevas, o JM do RPG Online e acreditem! Até eu e a Má fomos pegos para uma entrevista rápida com o simpático Vinícios Machado da campanha BEJRPG.

Feira Medieval

Talvez a melhfeira4or atração de todas foi a Feira Medieval. Não sei como não houve a feira nos anos anteriores, foi tão interessante que era extremamente difícil entrar na sala da Feira pois sempre estava lotada.

Taverneiro da Feira Medieval, vai encarar?
NPC da Feira Medieval, vai encarar?

Lá era possível encontrar escudos de madeira e de metal. Machados de batalha e machadinhas. Maças e obviamente várias e várias espadas. Cota de malha, elmos dos mais variados. Varinhas mágicas para todos os tipos de magos e bruxos, sacos para componentes de magia peças de ouro.
Agora se o que você queria era comida e bebida poderia comprar algo na taverna. Aliás o taverneiro era fantasticamente tirado de um livro de fantasia, tanto que e em dado momento – como nos contou o Shingo – ele gritou com todos “tratem de pedir para ela os doces! Não me importunem!” e não duvidamos que ele não tivesse um porrete em baixo do balcão para acalmar os baderneiros. Não faltou nada, talvez tenha faltado apenas ele cuspir no copo para limpá-lo.feira21

Se quiser forçar a barra a única coisa que poderia melhorar era ter mais espaço pois ficou claro que a feira medieval foi um sucesso!

Mesa de Vidro

Para complentar, o trio responsável pelo evento (Janaína,D3 e Wallace ) fizeram uma mesa de vidro para ouvir as críticas sobre o 1o RPGCON. O público não conseguiu fazer uma crítica sem antes fazer vários elogios e, tirando a Janaína, o Wallace e o D3 estavam com escudos abaixados e ouviram tranqüilamente as críticas, a maioria obviamente pelo pouco tempo de preparação do evento. A mesa de vidro foi uma ótima idéia pois mostrou o quanto eles são maduros, inclusive esperando ouvir as reclamações para poderem saber o que melhorar em eventos futuros. Palmas para os três.
Infelizmente ocorreu um momento desagradável quando a Janaína expôs sua opinião pessoal, a qual o D3 e Wallace deixaram claros de que não era a do RPGCON, em relação aos Otakus, por eles não estarem no evento. Foi um momento desagradável parte por conta do preconceito, parte por conta que alguns membros da platéia eram Otakus, motivo que levou a Janaína a tentar rever a situação tentando afirmar que eles não eram Otakus mas a situação ficou apenas pior. Deslize à parte, ela foi notoriamente uma parte elementar para o sucesso do evento, uma vez que ela teve a idéia fantástica de conseguir aquele lugar maravilhoso, espaçoso e cheio de labirintos e nada que ela pudesse falar num momento de cansaço e estresse poderia denegrir o maravilhoso trabalho que ela prestou.
PS: A Janaína posteriormente colocou no blog dela uma resposta completa ao acontecimento. Apesar de eu ainda não concordar (pois muitos fãs de animes chamados de otakus não são desta maneira) é de se entender que ela estava se referindo a um tipo específico de fãs de animes que realmente causa certo constrangimento aos organizadores, além de causar problemas as vezes maiores. Na íntegra no blog dela.

Outros detalhes soltos e sugestões:

Houve inúmeras outras atrações que simplesmente não deu tempo de ver, então deixo no final desse artigo alguns links para verem a visão de outros visitantes.
A apresentadora Hera Venenosa jogou o encanto para todos na platéia e não teve um que não foi seduzido, sugiro na próxima vez trocarem a vilã por um personagem de tendência boa.
Fora o que foi comentado, faltou talvez o arco e flecha e batalha campal, presentes nos EIRPG anteriores, e apresentações (e também exposição de armas) de escolas de arte-marcial que seria uma atração bem vinda para os rpgistas.

E também não podemos deixar de contar que esse evento nos proporcionou a chance de abrigarmos duas figuraças aqui em casa, entre as caixas de nossa mudança de casa. O o Rey “Ooze” e Mr. Pop. Sim, ele veio! A rifa não vendeu toda, mas o pessoal trouxe o Pop mesmo assim e sorteou o mega-boga kit de livros. O sortudo foi o Tarmann!). Nem sabemos como agradecer aos dois por terem nos bancado aí nesses dias de pizza da 1900, lanche do BurDog, feira nos dois dias, estacionamento… Valeu mesmo!

PS: Vimos em primeira mão o Old Dragon, projeto desenvolvido em muitas mãos e trazido pelo Mr Pop.  Se alguém quiser roubar o projeto, eu tenho aqui a cópia exclusiva e não lançada, basta oferecer algum valor de 5 dígitos que começaremos a negociação ^^

Conclusão:

No final da mesa de vidro ficou bem claro que haverá um segundo RPGCON, provavelmente não em julho pois o EIRPG deve voltar ano que vem reformulado, mas sim em outubro. Provando que mais uma vez é melhor unir que dividir, agora o público de RPG vai provavelmente desfrutar de dois mega-eventos anuais em sampa em vez de um.

O trio RPGCON conseguiu o que queria. Preencheram o espaço vazio que ficaria em julho na vida dos RPGistas com um novo conceito de evento. O evento foi tudo isso aí em cima e muito mais coisas que não conseguimos acompanhar.

Parabéns Wallace, Janaína e D3, vocês são heróis!

Outras opiniões:

Relato do 1o RPGCON por Rocha no Área Cinza
1º Dia da RPGCON pelo dot 20
Palestra das editoras pelo dot 20
Palestra das Editoras pelo news rpg
Análise do RPGCON pelo Rede Ninja Press
Mesa de vidro em Paragons
Impressões da RPGCON pelo rolando 20
RPGCON pelo Fale RPG
Fotos do evento feitas pelo BEJRPG

Observação: A maior parte das imagens foram cedidas pelo bejrpg.

D3System e Dia Mundial de D&D

D3System e Dia Mundial de D&D

Estava sentindo falta do D3System? Pois ele já tem data para voltar, cheio de novidades. Confere só o que o D3 mandou p/ gente divulgar:

No dia 23 de Maio, junte-se aos milhares de fãs de D&D no Brasil e no mundo para comemorar o lançamento de dois livros. O Livro do Jogador, em português, e o Monster Manual 2, em inglês. Marque no calendário e chame seus amigos, pois o tão esperado lançamento está chegando!

E a Iniciativa D3System não poderia ficar de fora. Estaremos realizando nosso evento na AJOIP em São Paulo, que fica na Rua Conselheiro Furtado, 1213 – SP, pertinho do Metrô São Joaquim.

Além das mesas com a aventura oficial, a Equipe inteira estará disponível para atender ao público. Também estaremos vendendo o Livro do Jogador 4ª Edição e outros produtos com 10% de desconto, inaugurando a D3Store! Além disso, teremos uma pequena Feira de Jogos Usados no local.

Venha conhecer a AJOIP, bater um papo com o D3System, colocar seu livro a venda, procurar umas raridades e principalmente jogar e se divertir conosco.

O que? D3System e Dia Mundial de D&D.
Onde? AJOIP: Rua Conselheiro Furtado, 1213 – SP – http://tinyurl.com/poyte3
Quando: 23 de maio de 2009, das 10:00 h as 20:00 h.
O que vai rolar? Lançamento do Livro do Jogador 4ª Edição. Mesas Oficiais de 4ª Edição. Feira de Jogos. Festa de re-abertura do D3system.

Porto Livre – Um cenário que vale a pena Parte II

Porto Livre – Um cenário que vale a pena Parte II

As aventuras de Porto Livre (PL) lançadas pela Jambô são três volumes que formam uma campanha de 1° ao 10° level para sistema D20. O primeiro deles, Morte em Porto Livre, foi ganhador dos prêmios ENnie e Origins e foi comentado no post :

Porto Livre – Um cenário que vale a pena Parte I

No segundo volume, “Terror em Porto Livre”, a trama se complica e mostra que existe algo de podre no arquipélago pirata.

Aviso! Spoilers (Informações que prejudicam a diversão)

Este post irá tratar sobre vários eventos da segunda aventura e podem ser levantados muitos spoilers. Se você é jogador e não mestre, não leia o artigo até ter jogado ao menos uma vez a aventura.

Comentários Iniciais

Quando mestrei esta campanha, ela foi iniciada no começo de 2008 e terminou em maio de 2009, rendendo 29 sessões de jogos (aproximadamente 2 sessões por mês).

Quando finalizei o primeiro volume eu realizei uma aventura que festejava um feriado na cidade e que no meio da aventura havia um torneio de luta livre. O prêmio era um cinturão mágico que dava habilidades, porém o lutador deveria aparecer anualmente para manter o cinturão como prêmio ou ele desapareceria para poder ser novamente disputado no torneio.
Esta aventura foi baseada em um item que consta no apêndice do primeiro volume, “Cinto da Luta Livre“. Sim, além das aventuras cada volume trás vários “brindes” que vão de itens mágicos novos até novas feats e monstros.
Como um dos jogadores ganhou o cinto, usei isso de gancho para fazer que de alguma forma voltariam para Porto Livre, embora eu reforcei esse fator posteriormente. Mas por hora era o bastante e me permiti fazer uma ou duas aventuras no meio do oceano e deixar a história principal acontecer (eu não estava mestrando apenas PL, há uma campanha maior onde PL se encaixou como uma luva para mim). Um ano depois na história (e aproximadamente um level a mais cada jogador) eles estavam de volta a Nova Porto e então comecei a aventura do volume 2.

Terror em Porto Livre


O segundo volume de PL se chama “Terror em Porto Livre“ e pode ser adquirido no site da Jambô. Este volume começa com os heróis recebendo a visita do irmão Egil, figura carimbada no primeiro volume. Ele está preocupado com o quanto os membros do templo maligno estão inseridos na sociedade de Porto Livre. Tem aí o início de uma das melhores tramas que já mestrei. A aventura, como uma espiral de acontecimentos, levará os personagens para eventos cada vez mais sinistros e bizarros, mostrando que pessoas cada vez mais importante estão comprometidas dentro do governo de Porto Livre, jogando os personagens no meio de intrigas políticas da pequena ilha. Claro, sem deixar de passar por diversos encontros inusitados, armadilhas perigosas, tentativas de assassinatos e outros elementos fantásticos que tornam esse mundo de piratas inigualável.
A aventura termina abruptamente quando os jogadores descobrem quem está por trás da irmandade do símbolo amarelo, e quais são seus planos.

O que eu mudei, idéias e sugestões…


Fora as aventuras que coloquei entre o volume I e II, fora o que já havia mencionado no 1° volume eu ainda fiz novas mudanças. Não sei se por desatenção ou se realmente é um defeito da aventura, eu não encontrei em nenhum momento uma maneira dos personagens irem parar no prédio da Repartição de Registros Públicos e isso é de extrema importância para continuidade da aventura. Resolvi o dilema colocando o próprio irmão Egil sugerindo aos jogadores que eles poderiam descobrir mais sobre Verlaine no prédio de registros, mas sem essa dica a aventura teria simplesmente travado.
Fora isso a aventura é perfeita e extremamente bem elaborada.

Conclusão:

Uma ótima campanha para ser mestrada seja online – de forma que renderá aproximadamente 20 a 30 sessões – ou pessoalmente – de forma que renderá aproximadamente umas 6 a 10 sessões. Diversão garantida para os jogadores e mestres.

Aguardem a parte 3, em que falarei sobre o último volume desse lugar fantástico.

Soltem a adriça! Estiquem seus esqueletos e tratem de navegar! E pilhe já a trilogia de Porto Livre e deixe de ser um mero grumete! Yaaaaar!

Falece Dave Arneson co-criador do D&D

Falece Dave Arneson co-criador do D&D

No dia 7 de Abril à tarde diversas informações desencontradas haviam dito que ele havia morrido na tarde do dia 7, isso inclui vários blogs e sites no mundo, inclusive o Taulukko via Twitter.

Após isso informações vindas diretamente dos parentes disseram que ele havia morrido as 23 horas do dia 7 e outros pela manhã do dia 8. Aguardei uma informação mais precisa para divulgar meu pesar mas parece que independente da hora ou data ele de fato chegou no -10 de PV.

Dave Arneson junto com Gary Gygax foram responsáveis pela criação do jogo de RPG tal como conhecemos quando criaram juntos o D&D.

Fica nossos sentimentos pelas diversas horas de diversão que o jogo de D.A. nos forneceu.

Finalmente, Baldur’s Gate III confirmado!

Finalmente, Baldur’s Gate III confirmado!

Logo
Logo BG3
Essa é quentinha, Baldurs Gate III sempre foi uma novela. Tudo começou após o BGII quando anunciaram o BGIII pela primeira vez em 2001. Depois por conta de desacordos a Black Island cancelou em 2003 o lançamento.

O que ninguém sabia era que reataram a WoC com a Black Island para a produção do BGIII, porém o pessoal de marketing decidiu não anunciar até que se tornasse mais concreto. Novamente em 2007 quando estava prestes a ser lançado houve outro desacordo, a WoC queria que o sistema funcionasse com as novas regras que seriam lançadas (4a Ed) e o jogo estava quase pronto.

Novamente parou por 1 ano, dessa vez sem ninguém ficar sabendo quando finalmente entraram novamente em acordo, o sistema incluiria o sistema de 4a Edição E (pasmem!) ele permitirá escolher o sistema de regras! Isso mesmo, você poderá selecionar entre:

Modo Multiplayer

AD&D 2a Edição

D&D 3.0
D&D 3.5
D&D 4.0

grandes vilões
grandes vilões
Fora isso a Black Island atualizou o jogo para efeitos novos das novas placas de vídeo, claro que devem ter ganho para isso.

De acordo com o Diretor do projeto Feargus Urquhart :

“O BG III teria que ser inovador, não era mais possível que o jogo continuasse isométrico. Também não queríamos utilizar uma engine onde o 3D não trouxesse realismo e a jogabilidade desejada. Somado a isso agora tínhamos três sistemas de regras (nota do Kain: ele se refere ao AD&D 2a Ed, ao D&D 3.0 e ao D&D 3.5) e um quarto sistema para ser lançado, então precisaríamos criar algo totalmente genérico para que aceitasse todos os sistemas de regras sem precisar reescrever todo o jogo. Foi então que a empresa Dragon & Mystic foi contratada para nos ajudar, ela já tinha realizado grandes trabalhos para servidores de MMORPGs altamente customizáveis e precisávamos incorporar o conhecimento deles no BGIII.”

Uma outra ótima notícia é que o sistema foi feito em cima de uma nova engine Ultimate Delusion feita exclusivamente para o BGIII e ela tem um ótimo suporte para MMORPG graças a ajuda da Dragon & Mystic. Ou seja, o jogo do BGIII pode ser jogado sozinho OU online, e se mantido online ele aguenta até 300 jogadores conectados ao mesmo tempo o.O

O jogo BG III terá o título de “A Marca do Mal” (Evil Mark) e o jogador poderá usar os personagens salvos nas campanhas BGI e BGII. Só não sei como será a adaptação caso ele selecione outro sistema de regras que não seja AD&D.

Seguindo os moldes do Never Winter Nights a engine virá junto com o game, agora é olhar as imagens e esperar o lançamento, previsto para 2010 e rezar para nada mudar até lá!

D&D Game Day – como foi por aqui

D&D Game Day – como foi por aqui

Meio de surpresa, fomos ao D&D Game Day 2009 lá na Devir, aqui em Sampa.

Não tínhamos jogado a quarta edição ainda, não conhecíamos a loja da Devir (apesar de morarmos relativamente perto) e nunca tínhamos jogado em uma mesa de desconhecidos (eu, pelo menos, não).

Ainda estamos digerindo a quarta edição… acho que só vamos opinar mesmo sobre ela depois de jogar uma campanha mais completa, com o Tchelo.

Mas o evento foi muito legal. E este post é para parabenizar a Devir pela organização. Chegamos, pegamos uma fila que andou bem, nossa pré-inscrição já estava feita, mestres já estavam esperando nas mesas, tudo certinho. O salão estava cheio de gente, mas sem atrapalhar a diversão.

Logo o grupo estava formado começando a ler as fichas e ouvindo as explicações do mestre (Alan, da RPG Arautos) sobre a quarta edição. Ninguém ali havia jogado. Tadinho! Penou com o grupo! Pegar um personagem já de 11º nível só complicou as coisas. Com um a menos na mesa e a gente subutilizando os poderes por não conhecê-los bem, o combate demorou mais do que o mestre esperava. Mas foi divertido mesmo assim.

Os mestres estavam com os mapas da aventura impressos, tinham levados suas próprias minaturas e dados. E, no final, o Otávio entregou 4 (!!) miniaturas para cada jogador, no plastiquinho, com suas fichinhas, tudo certinho, para compensar a falta dos kits, que ficaram presos na alfândega. Eles nem tinham obrigação disso. Achei muito bacana da parte deles. 🙂

No final, demos uma volta na loja, que é uma perdição para qualquer bolso e saímos de lá com uma edição do Castelo Falkenstein e um D20 para completar o valor de parcelamento. rs.

Que venha o próximo 🙂

Dia de alegria ou de tristeza?

Dia de alegria ou de tristeza?

Faz um pouco mais de um ano que Gary Gygax nos deixou. Independente disso, e até por uma estranha coincidência, também no mesmo dia 4 de março é internacionalmente comemorado o Dia do Mestre .

.

Bom, em homenagem ao Gary o Taulukko desde seu surgimento nomeou a rolagem de 20 no dado de 20 faces como GG

E para os Mestres fica a dica da maravilhosa ficha de D&D 3.5 criada pelo Beholder Cego para vocês analisarem.